EIA - RIMA: aspectos antropológico para o projeto de duplicacação da Br101/ DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes
"Estudo de Impacto: As Populações Indígenas e a Duplicação da Br 101, Trecho Palhoça/SC – Osório/RS"

O relatório Estudo de Impacto: As Populações Indígenas e a Duplicação da Br 101, Trecho Palhoça/SC – Osório/RS, autoria de Maria Dorothea Post Darella, antropóloga da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina, foi realizado em substituição ao relatório anterior anexado ao EIA - Estudo de Imapacto Ambiental para o projeto de duplicação, no referido trecho da Br 101. Mediante intervenção de Darella esta substituição foi justificada, segundo a própria Darella, pela insuficiencia que representava aquele relatório, quanto aos seus aspectos técnicos antropológicos. Em sequência, Darella, novamente, propôs e subscreveu o seu "estudo de impacto": As Populações Indígenas e a Duplicação da Br 101, Trecho Palhoça/SC – Osório/RS.
Este novo relatório, fruto da ingerência de Darella, foi condenado e anulado pelo TCU no ano de 2005.

A obra de duplicação na Br 101 continua parada até a presente data, na espera dos resultados de um terceiro EIA -RIMA/ANTROPOLÓGICO, que nesta data, dezembro de 2011, também está novamente sob análise do TCU - IBAMA e DNIT, uma vez que este terceiro estudo antropológico para a duplicação da Br 101 também está fraudado além do que o DNIT, desobedeceu as determinações do TCU ao contratar Maria Inês Ladeira da Ong-CTI, parceira de Maria Dorothea Post Darella da UFSC, para elaborar e subscrever este terceiro estudo.

O leitor interessado em se aprofundar nos aspectos fraudulentos do segundo relatório antropológico realizado por Darella para o projeto de duplicação da Br 101, deve baixar o Estudo de Impacto: As Populações Indígenas e a Duplicação da Br 101, Trecho Palhoça/SC – Osório/RS.
Em seguida, baixar a análise que confronta este estudo e aponta as fraudes e as consequentes intervenções na duplicação da Br 101, através do link Análise do EIA - RIMA fraudado e anulado pelo TCU.