DENÚNCIAS PROTOCOLADAS NA UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA



Os procedimentos da UFSC relativo à graves acusações abaixo transcritas, se resumiram ao silêncio e a um encaminhamento jurídico junto ao MPF - Ministério Público Federal, denunciando o autor das delações por ter infrigido o código penal.
Ao negar uma audiência para dirimir e melhor elucidar as graves denúncias, o Reitor Lúcio Botelho Filho optou pela ação intimidatória da denúncia de crime de difamação contra o delator. Neste sentido as iniciativas da UFSC, em duas ocasiões, não foram acatadas pela Justiça Federal.

Obs. - As denúncias abaixo transcritas da documentação protocoladas na UFSC, não foram respondidas pela Universidade.

 


TRANSCRIÇÃO - 1



Florianópolis, 29 de março de 2006.

 

 

A
SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência
Ilmo. Secretário Regional / SC
Professor Mário Steindel
Dep. de Microbiologia e Parasitologia
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
E/M

 

 

            Prezado Secretário

Repasso a esta secretaria a denúncia relativa aos procedimentos antiéticos afetos a Ciência Sociológica, especificamente a Antropologia Indigenista desenvolvida pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
Os fatos resumidamente relatados no anexo estão respaldados através de provas oficiais, oriundas de pelo menos 40 protocolos e dos encaminhamentos originados, proferidos pelo Ministério Público Estadual de Santa Catarina, Ministério Público Federal através do procurador da República Dr. Celso Antônio Três, Tribunal de Contas da União, Instituição Pública Ambiental de Santa Catarina (FATMA), entre outras instituições.
Faço um alerta quanto à urgência de medidas necessárias à correta condução desta questão, envolvendo direitos humanos, mortes de indígenas, universidades estrangeiras, bancos de fomento estrangeiros, interesses fundiários paraguaios e mais diretamente o não mais importante, porém sempre atual impedimento na conclusão do projeto de duplicação da BR 101 trecho sul.
Solicito após vossa apreciação e análise encaminhar o assunto para a Comissão de Ética da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, entidade que vem sendo inadvertidamente maculada por fraudes e demais procedimentos ilícitos afetos a Antropologia catarinense.
Aproveitando a oportunidade me eximo do dever de viabilizar o amplo conhecimento dos fatos para esta importante Instituição, referência maior para a Ciência brasileira.
Agradecendo a atenção dispensada coloco-me a disposição da SBPC, no intuito de proceder à completa entrega da documentação alusiva às questões relatadas.

 

________________________
Walter Alberto Sá Bensousan
Rua tal.
Palhoça – SC
8000-000
Tel. 41- 9901-??-01 / [email protected]

-----//-----//----//----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//-----//---

TRANSCRIÇÃO - 2

O relatório do link abaixo, protocolado na reitoria da UFSC por ocasião da gestão do Reitor Lúcio Botelho Filho, solicitava uma audiência para que o denunciante desse procedimento na entrega da documentação complementar. A Universidade não se manifestou.
Ver link de discussão: RELATÓRIO À UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, FEVEREIRO DE 2006.